Esqueceu sua senha? | Cadastre-se

Indústria naval e offshore no Brasil avalia novos rumos.

26/09/2016

Passando por um período de revisão de rumos e planejamento para superar desafios a indústria naval e offshore no Brasil já enxerga que precisa ser retomada e para que isso aconteça de forma positiva há a necessidade de rever normas técnicas e reduzir impostos e taxas cobradas nos estaleiros para que o resultado seja uma melhor e maior competitividade. (Leia no Guia)

Acreditando no potencial para assumir novas demandas e voltar a gerar empregos e desenvolvimento para o país, Marcio Fortes, diretor de Relações Institucionais da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), defendeu que a indústria naval deve rever o papel que a Petrobras tem na sustentação do setor e focar em uma maior presença no mercado externo. “O segmento sofre com a vinculação excessiva à Petrobras e deixa de aproveitar outras oportunidades como a cabotagem. Outra questão é ampliar as competências para fomentarmos a competitividade internacional. Com isso, podemos falar em retomada”, observou.

O Gerente do Departamento de Gás, Petróleo e Bens de Capital do BNDES, Luiz Marcelo Martins, frisou que, além da cabotagem, a pesca é outro campo promissor. “É um momento desafiador para a indústria naval, que no Brasil sempre andou muito de mãos dadas com o petróleo e gás, um segmento muito cíclico em todo o mundo. Por conta disso, acredito que este ano e o próximo serão dedicados ao planejamento, uma boa oportunidade para avaliar novos rumos para setor, que pode ampliar seu campo de atuação”, afirmou.

O superintendente da Onip (Organização Nacional da Indústria do Petróleo), Alfredo Renault, acrescentou que a efetividade da pulverização geográfica na expansão da indústria naval brasileira também deve ser discutida pelo setor. “É importante refletirmos se este foi o caminho correto, ao invés de concentrarmos a produção em poucos clusters, já estruturados com toda a cadeia de fornecimento e serviços”, explicou.

Renault fez, no entanto, uma previsão positiva para 2017: “Acredito que o próximo ano será positivo para o setor de petróleo, refletindo, consequentemente, na indústria naval. Haverá uma maior abertura para o capital privado, com os novos leilões previstos para o pré-sal, tornando o segmento mais dinâmico”.

Executivos destacaram ainda que que é preciso pensar no reparo naval como um fator estratégico para o país. O superintendente do Estaleiro Renave (Empresa Brasileira de Reparos Navais), Luiz Eduardo Campos de Almeida, defendeu essa posição e recordou que, recentemente, três embarcações que encalharam no Brasil foram reparadas em outros países como a China, por conta do custo. “Para termos um mercado de reparos navais competitivo precisamos rever os obstáculos como os altos custos portuários, por exemplo. Se o armador souber que o reparo em estaleiros do Rio tem valor competitivo, vai ampliar as rotas de navegação por aqui, fomentando o mercado”, apontou.

Além disso, a necessidade e formação de mão de obra e a revisão de políticas como a de Conteúdo Local (CL) são ações que precisam, na opinião dos executivos serem implantadas no Estado do Rio de Janeiro. “Neste aspecto precisamos ver quais são as nossas vocações e depois pensar no que somos competitivos dentro das necessidades da indústria”, disse Marcelo Dreicon, assessor de Planejamento e Gestão Estratégica da Codin (Companhia de Desenvolvimento Industrial do Rio de Janeiro).

Fonte: Guia Marítimo.